Loucura em Londres para ver os Pearl Jam

22/04/06


O grito ecoava alto pelos túneis da estação de metro de Tottenham Court Road "Anyone is selling tickets for Pearl Jam?". O rapaz gritava e voltava a gritar a mesma frase - a frase do desespero. Na Charing Cross Road, lá em cima, junto às portas da Sala Astoria, os caçadores de ingressos eram muitos mais: centenas tentavam a sua sorte e alguns mostravam-se dispostos a pagar altas quantias por um dos 1600 cobiçados rectângulos de papel que permitia o acesso ao primeiro e único concerto dos Pearl Jam desde há anos na Europa.O concerto revestia-se de particular importância para os fãs pelo facto de a banda de Seattle apresentar, pela primeira vez, o material do novo disco e, claro, pela oportunidade rara de ver os Pearl Jam numa sala pequena - a título de comparação, dir-se-á que é mais pequena que uma Aula Magna ou pouco maior que um Hard Club. E quando a isso se junta o facto de grande parte da lotação da sala ter sido reservada para convidados como Robert Plant ou imprensa de toda a Europa, torna-se fácil imaginar os preços pedidos por alguns candongueiros sem escrúpulos houve quem vendesse bilhetes a 350 libras.A pouco mais de hora e meia para o início do concerto, o ambiente tornou-se particularmente animado com os fãs num fila interminável que desaguava pelo Soho. E quem estava na dianteira de todos? Simples duas jovens portuguesas vindas de propósito para o concerto. Arriscaram e ganharam: compraram um bilhete de avião mesmo sem tendo bilhete para o concerto. E conseguiram entrar.Perante todo este cenário, não admira que os Pearl Jam tenham sido recebidos com uma estrondosa ovação. Em duas horas tocaram 23 canções e foram obrigados a regressar três vezes. Resumidamente, dir-se-á que a banda, em palco, continua igual muito coesa, bastante simples, sem adereços ou parafernália cénica e muito humilde - por várias vezes os músicos fizeram questão de chegar perto da plateia e cumprimentar os fãs.A primeira canção a ouvir-se foi o novo single "Worldwide Suicide", seguida por "Life wasted e "Severed hand". Todavia, é fácil imaginar que o público reagia muito melhor ao material antigo "Even Flow", já mais à frente, ou "Betterman" (cantada em uníssono pela sala inteira), são apenas dois exemplos. As restantes canções foram as seguintes: "Unemployable", "Gone", "Sad", "I am mine", "Insignificance", "Army reserve", "Present tense", "Marker", "Do the evolution", "Why go?", "Man of the hour", "Given to fly", "Small town", "Porch", "Comatose", "Leaving here", "Yellow ledbetter" e, a fechar, "Alive", claro.Depois de terem vendido mais de 60 milhões de discos em todo o mundo, os Pearl Jam vão lançar o próximo disco - de título homónimo - no dia 2 de Maio. As opiniões entre os fãs que já ouviram as canções dividem-se entre o deslumbre total e o mero contentamento.Entetanto, a banda de Seattle vai regressar ao continente americano para uma digressão e só voltará à Europa daqui a uns meses. Seis anos volvidos desde que anunciaram que não mais deveriam actuar em espaços ao ar livre devido ao acidente que levou à morte de nove fãs no festival Roskilde, na Dinamarca, os Pearl Jam têm planos para voltar a alguns festivais europeus no próximo Verão. Nos dias 4 e 5 de Setembro, a banda actua no Pavilhão Atlântico, em Lisboa. Os bilhetes são colocados à venda no próximo dia 29, com preços que oscilam entre os 28 e os 40 euros.

in "http://jn.sapo.pt/2006/04/22/cultura/loucura_londres_para_os_pearl_jam.html"

1 comentários:

Vascoigne disse...

Eu vou...........